O Sonho de Ogi ainda Sobrevive

 Publicado por Filipe Touca    28 de outubro de 2019.

“Meu velho mano já não vive, Perdeu pro crime, Virou canção! Mas o meu sonho sobrevive”. Na última quarta-feira (23) o Rodrigo Ogi, realizou um show no Sesc Bauru, do qual contou com a presença do Nosso Quintal, que realizou uma entrevista exclusiva com o artista.

Rodrigo Hayashi, conhecido como Ogi, é um dos mais importantes nomes do rap nacional, sobretudo da cidade de São Paulo, dos anos 2000 até hoje. Respeitado pelos demais artistas da cena, Ogi começou a rimar em 1994, mas a primeiro momento, se dedicou a cultura da pichação do qual se tornou um importante nome do movimento. Em 2005, fazendo parte do respeitado grupo underground “Contra Fluxo”, lançaram o primeiro disco ‘Missões e Planos’, e dois anos depois, o disco ‘Superação’.

Rapper paulistano conversou com o Nosso Quintal durante passagem por Bauru (Foto: Divulgação)

Em 2011, já em carreira solo, lançou o respeitado ‘Crônicas da Cidade Cinza’, do qual ganhou o público, não só com seu flow, mas com a forma de escrever suas letras em forma de crônica, contando histórias de uma forma que aproximam a realidade descrita para com o ouvinte.

Quatro anos depois, 2015, lança o seu segundo disco solo ‘Rá!’, e mais recentemente, 2017, seu último disco solo ‘Pé no Chão’, que contou com a participação de nomes como Emicida, Diomedes Chinaski, Coruja BC1 e Marcela Maita.

Veja a entrevista que o artista concedeu ao No Nosso Quintal após o show:

Filipe Touca
 
Cientista social colocando as bolachas pra rodar - "só existem dois gêneros de música: música boa e música ruim".
Outros Artigos
Desenvolvido por