Arte, Cultura, Entretenimento e Informação

João Menino, Áfrico e Quilombola.

Atravessou cidades e florestas, montanhas e rios mas chegou. Cansado que nem burro de carga depois de longa viagem, mas chegou. Ainda não tinha chegado propriamente ao local combinado mas sabia que depois do rio e da mudança de vegetação estaria bem próximo. O coração já foi acelerando e modificando o olhar de João.
Agora suas passadas amainadas evocavam a força das coisas.
A mata começou a abrir e conforme ia andando foi também percebendo um espaço sem árvores ligeiramente ovalado.
                                                                     ” Trabalho,
                                             Quando o nêgo tem batedor,
                                                Nêgo não quer só calo,
                                         Quê que quer? Quer um jimbô.”  ¹
 Surpreso e emocionado continuou a andança. Percebeu uma certa movimentação mais a frente. Impressão de ter ouvido som de voz humana. João estava com tanta fome que já havia até perdido a lembrança do paladar de uma boa comida. Os últimos sabores que havia sentido eram de sangue, terra, carne de peixe cru e água de rio.
Sentiu um cheiro que subitamente lhe encantou. O estômago dando giro e pirueta dentro da barriga. João quis crer que era cheiro de pão assando.
E era !
As vozes humanas, o cheiro de comida eram de fato reais. Inacreditavelmente ele havia conseguido. Se sentia cansado mas também satisfeito. João sabia de tudo que passou para chegar até ali e não iria de forma alguma retornar por medo, vergonha ou desconfiança. Amigos dessa e de outra vida o esperavam ali. Tudo quanto havia de sofrimento eles haviam passado. Penando e resistindo como heróis amordaçados de uma nação que degola os próprios filhos. Um elo forjado no calor das sevícias não carece de precisar trocar palavra para se entender. Por isso em silêncio adentrou João naquele espaço.
                                                                     “Carrêgo,
                                          Quando o nêgo se quebrantou,
                                         Nêgo não quer ebó, não quer,
                                            Quê que quer? Babalaô.”  ²
As mulheres e homens que ali estavam perceberam a presença de João. Mesmo sem o conhecerem já chegaram dando vivas e abraçando e tirando seu peso.
Confortando, ajudando, construindo. João foi chorando e agradecendo. Chorando, agradecendo e sua boca já falava sem ele querer.
                                                                     “Terreiro,
                                         Quando o nêgo toca o tambor,
                                              Nêgo não quer dinheiro,
                                            Quê que quer? Quer Agô.”  ³
 João contou sua sina. Todos em silêncio para ouvir nosso jovem mestre. A fogueira estralava e se movimentava projetando esse movimento na mata . Senhor Chico veio lhe trazer comida. O prato era simples e delicioso. Comia como quem tem um banquete. Imaginava:
                                                    “Moqueca, pirão, xinxim,
                                                Feijão de amendoim,
                                                  Côco, mel, dendê.
                                           Tem farofa, feijão-fradim
                                               Camarão seco, aipim.”  
 Quando acabou de comer e todos já se conheciam e se desejavam bem havia chegado a hora de joãozinho menino ser nada menos do que aquilo que sempre havia sido. Um Babalorixá. Nos tempos antigos de tanto fazer segredo guardou aquilo bem fundo e quando arrancou chegou a doer. O mestre derruba no chão da mata um pinguinho de lágrima. Todos a postos e a cerimônia se deu com felicidade mas também com seriedade de quem enfrenta uma mata e um país inteiro para ali estar. João dizia:
 
– Isso que eu vou contar para oceis agora não é do nosso tempo não sô, é coisa de tempos que ainda nem chegaram. Eu não to adivinhando o futuro não povo. É a minha certeza e confiança de que oceis vão fazer chegar lá:
                                         Vim de longe, de um Reino de além do mar.
                                         Vim marcado que nem o gado de lá,
                                                     Num porão de navio,
                                                     Sei de dor, fome, frio,
                                                Sem poder nunca mais voltar.
                                                          Remo nas mãos,
                                                         Ferro nos pés,
                                                   Sangue riscando o olhar.
                                                       Vim nos grilhões,
                                                          Vim nas galés,
                                                        Eu vim da África.” 
 Horas mais tarde já com a cerimônia encerrada joão estava procurando um lugar para esticar seu corpo cansado. Era de fato um homem peculiar este João, havia passado dias cortando estradão, rasgando mata, marchando forte e comendo pouco e ainda havia conseguido depois de tudo realizar uma cerimônia longa como aquela. Estava feliz e sentia que um dia não precisariam fingir mais nada, esconder mais nada. Talvez estivesse errado, talvez não. Sentia que o futuro falava a ele da mesma maneira que seus antepassados.
 
Estava feliz porque ele já não era nem joão menino nem mestre joão. Era apenas um canal ativo e vívido de seus mais nobres ancestrais. Outras coisas o alegravam também. João menino soltava risadinhas antes de dormir. Contente por lembrar que amanhã haveria ainda mais a ser feito e uma mensagem clarinha já havia sido preparada. 
                                                                           “Ô, Quilombo despertou,
                                                    Carapinha que pulou,
                                                 Foi batedor que começou.
                                               Foi o milho que descaroçou,
                                                   Mucama que caçarolou
                                                          O arado que arou,
                                                 O gado que nêgo ordenhou,
                                                       Foi preto que forriô!

                                                                                           Pega a faca,
                                                              Decepa a cana,
                                                            Revira a moenda,
                                                            Garapa já rolou.
                                                               Pega a foice,
                                                            Tora a banana,
                                                        Derruba a pindoba
                                                        Que o teto já furou.
                                                              Que dá tempo,
                                                            Dá, pro batuque,
                                                         Porque Quilombola
                                                     Já não tem mais sinhô!” 

Glossário :

1 –  Trecho da canção “Nagô”:     Jimbô – Dinheiro

2 – Trecho da canção “Nagô”:      Ebó – Sacrifício ou Oferenda / Babalaô – Zelador-de-santo ou Sacerdote.

3 –  Trecho da canção “Nagô”:     Agô – Licença.

Nome das canções utilizadas:

Letras de canções retiradas do álbum  Sérgio Santos – Áfrico. quando o brasil resolveu cantar do ano de 2002, respectivamente:

9. Nagô [Sérgio Santos/Paulo César Pinheiro]

15. Quitanda das Iaôs [Sérgio Santos/Paulo César Pinheiro]

11. Gongá [Sérgio Santos/Paulo César Pinheiro]

13. Quilombola (Part. Esp.: Joyce e Uakti) [Sérgio Santos/Paulo César Pinheiro]

 

*Link do YouTube para ouvir o disco completo:

 

 

Imprimir

Comentários